quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

A esperança...

A caminhada da vida caracteriza-se por altos e baixos. Ao longo do percurso somos forçados a fazer escolhas e essas nem sempre se revelam as mais acertadas.
No decorrer desse processo de escolhas e, em resultado das mesmas somos por vezes projectados para momentos de dor, de dúvidas e geralmente esses não são períodos fáceis de ultrapassar.
Ao reflectir sobre estes momentos procuro uma resposta satisfatória para as questões que se levantam: o que fazer em momentos de crise? Como reagir? Existirá uma forma mágica que podemos adoptar para enfrentarmos esses momentos?
“Não haverá razão para viver, nem termo para as nossas misérias, se for mister temer tudo quanto seja temível. Neste ponto, põe em acção a tua prudência; mercê da animosidade de espírito, repele inclusive o temor que te acomete de cara descoberta. Pelo menos, combate uma fraqueza com outra: tempera o receio com a esperança. Por certo que possa ser qualquer um dos riscos que tememos, é ainda mais certo que os nossos temores se apaziguam, quando as nossas esperanças nos enganam.
Estabelece equilíbrio, pois, entre a esperança e o temor; sempre que houver completa incerteza, inclina a balança em teu favor: crê no que te agrada. Mesmo que o temor reúna maior número de sufrágios, inclina-a sempre para o lado da esperança; deixa de afligir o coração, e figura-te, sem cessar, que a maior parte dos mortais, sem ser afectada, sem se ver seriamente ameaçada por mal algum, vive em permanente e confusa agitação. É que nenhum conserva o governo de si mesmo: deixa-se levar pelos impulsos, e não mantém o seu temor dentro de limites razoáveis. Nenhum diz:
- Autoridade vã, espírito vão: ou inventou, ou lho contaram.
Flutuamos ao mínimo sopro. De circunstâncias duvidosas, fazemos certezas que nos aterrorizam. Como a justa medida não é do nosso feitio, instantaneamente uma inquietude se converte em medo.”
No excerto acima, de Séneca, in “Dos Reveses”, podemos ver uma das possíveis posturas a seguir em períodos de crise. Claro está que o princípio da subjectividade nos poderá levar a concluir que esta poderá não ser a fórmula mágica ou que fórmulas mágicas não existem para determinadas problemáticas.
Todavia e apesar do princípio que devemos possuir de aceitar como válidas toda e quaisquer opinião, a minha é bastante definida. Socorro-me numa frase de grande sabedoria para a expressar "A esperança não é um sonho, mas uma maneira de traduzir os sonhos em realidade. (Suenens)".
A postura pode ser arriscada, assumo-o, aceito que pode ser interpretada como uma postura um "tanto ao quanto romancista", no entanto ver todas as coisas da vida, mesmo as aparentemente menos positivas, pelo lado menos colorido parece-me um risco muito maior.
Poder-se-á também fazer a leitura que, em certas circunstâncias, poderemos estar a usar a esperança como uma arma para não aceitar o fim das coisas mas… o tempo tudo cura e, a vida é demasiado sábia para nos permitir cometer um erro tão primário.
Termino deixando o convidando-os a fazer uma reflexão e meditar nas palavras de Hegel. "O princípio do mundo moderno é a liberdade da subjectividade. Esta implica quatro conotações: individualismo; direito à crítica; autonomia do agir; a filosofia idealista.”

7 comentários:

helena disse...

oi lindo
deixo aqui meu recado para tu refletir rsrsrnas entrelinhas o que eu quero te dizer hem??? rsrsrsr
Perguntei a um sábio,
a diferença que havia
entre amor e amizade,
ele me disse essa verdade...
O Amor é mais sensível,
a Amizade mais segura.
O Amor nos dá asas,
a Amizade o chão.
No Amor há mais carinho,
na Amizade compreensão.
O Amor é plantado
e com carinho cultivado,
a Amizade vem faceira,
e com troca de alegria e tristeza,
torna-se uma grande e querida
companheira.
Mas quando o Amor é sincero
ele vem com um grande amigo,
e quando a Amizade é concreta,
ela é cheia de amor e carinho.
Quando se tem um amigo
ou uma grande paixão,
ambos sentimentos coexistem
dentro do seu coração.

bjs ricardo

pedro disse...

ta tudo amigo??a esperança tem um significado simples e bonito...da maneira que voce descreve ainda mais se torna..a esperança co mo muita gente diz é ultima a morrer...como num jogo de futebol que quando uma equipa precisa de ganhar e o resultado nao muda a esperança é a ultima a acabar...voce ta um crack nisto..grande abraço

Lourdes disse...

Contigo a esperança nunca morre. Contigo a vida nunca deixa de fazer sentido. Contigo a vida nunca deixa de ter um caminho.
Beijinho

Marlene disse...

A esperança pode não ser o remédio para todos os males. Mas cura alguns...

Rita disse...

http://realidadevssonho.blogspot.com/

Edgar Veloso disse...

Já gastei a frase fixe da esperança. Agora espera tu.

Adriana Veloso disse...

A esperança é a última que morre!

Mas não podemos viver na esperança que tudo é um mar de rosas, pq nao é!

Temos de ser crescidos o suficiente para sabermos que nao podemos ser sempre os vencedores. Quando isto acontece, aparecem aqueles momentos de crise em que falas.

Muitas vezes, a esperança faz-te lutar por algo que nao tem futuro, e aí TU é que tens de ser forte o suficiente para dizer: "Não!"

Não é vergonha nenhuma desistir. Devemos sempre saber quando recuar.

Por vezes, desistir é ser corajoso para ver que nao vale a pena!

PS: Nao deixes que a esperança te faça acreditar numa verdade surreal!