sexta-feira, 27 de março de 2009

Against myself...

Há momentos na vida em que temos que dizer basta. Nem sempre é fácil, mas por vezes, é o mais racional a fazer. Hoje decidi dizer basta. Basta a algumas ilusões, convicções e desilusões.
Certas vezes, somos impulsinados a manter ilusões e convicções para alimentar o ego. Muitas vezes, mantemos essas ilusões e convicções suportados na crença de que vamos alcançar essas ilusões e que se as abandonarmos estamos simplesmente a desistir.
Todavia, nem sempre abandonar ilusões pode ser classificado como desistência no sentido de derrota. Há alturas da vida em que desistir significa deixar o passado partir. Partir para nos tornarmos livres e podermos sorrir. Não é matar a esperança, é dar uma oportunidade à esperança de abrir portas e janelas a quem merece. Deixar que o presente entre, que o futuro possa entrar e deixar que o passado vá para o seu devido lugar.
Manti durante muito tempo algumas ilusões. Agarrado a elas fui fechando olhos, janelas, portas. Deixei escapar oportunidades, isolei-me, culpei-me e não raras vezes tive pena de mim próprio. Hoje, a vida deu-me a oportunidade de dizer sim a mim mesmo. Deu-me a chance de poder enfrentar, uma vez mais, o medo de perder. Deu-me a possibilidade de vencer.
Há momentos na vida em que temos que arriscar ganhar, mesmo sabendo que podemos perder. Acreditar quando nada nos faz duvidar é extremamente fácil. Difícil é acreditar quando tudo nos faz duvidar. Eu sei que vou ganhar...

6 comentários:

pedro_ismael10 disse...

voce neste aspecto é correcto...o basta pode ser encarada como o " nao" e voce quando diz nao é nao.para si o " nao" nao é negativo mas sim um auxiliar de ajuda...por vezes aparece o seu sim sorridente...aquele de afirmar e de ajudar tamebm...por isso qualquer palavra em si cai bem porque nao pontapeia as palavras. por isso é um senhor da palavra e do nosso futebol.simplesmente nao é para qualquer um! =) abraço

Lourdes disse...

Olá Ricardo
Tudo bem querido?
Espero que continues forte, determinado, convicto, ou seja, igual a ti mesmo.
Jamais esquecerei cada momento passado na tua companhia, os ensinamentos que me transmitiste, as noites em que me ouviste e tudo aquilo que sempre me deste.
És um ser humano fantástico, um homem com muitos princípios e de grande carácter.
Tudo isto poderia ser a razão do meu apreço por ti, mas eu gosto de ti apenas e só por tudo aquilo que és: tu mesmo.
Tens lugar cativo no meu coração e desejo muito manter-te sempre na minha vida.
Parabéns pelo blog e força. Continua a tua cruzada que eu estarei sempre e para sempre do teu lado.
Beijinho

Emília Azevedo disse...

Foca-te na tua capacidade de sonhar

Sonho!
Quem me dera poder agarrar-te
E Conter-te dentro duma bolha
Suave, belamente frágil...
Tão protectora
Consigo mesmo ver-me
No teu aconchego carinhoso:
Lá dentro não existindo
Nem medos, nem fobias
Só a nossa mente e corpo
Envolvidos pelo sonho
a vida sera aquilo que...
Que nós quisessemos que fosse!
Isto porque dentro do sonho
Tudo parece possível
E talvez , seja esta a mais forte
a mais visível e credível
Forma de teorizar os impossíveis.
Os impossíveis não existem
Na realidade... uma impossibilidade para mim
Pode não sê-lo para ti...
MAs melhor...
Quando alguém sonha
Novas portas se abrem
Novas soluções se encontram
Novos Mundos se descobrem
e é simplesmente assim,
Que o " impossível" deixa de existir!!!

Não lutes contra ti, mas busca as respostas dentro de ti!

Adoro-te Meu Anjo

Emília Azevedo

Adriana Veloso disse...

O mais importante do que caírmos é termos a capacidade de nos levantarmos, sem necessitarmos da ajuda de alguém! Porque os amigos, a família, até os conhecidos... mas a nossa sobrevivência depende de nós próprios.

Marlene disse...

Tive a oportunidade de privar mais de perto contigo quando escreveste este texto e, por isso, sei em que te baseaste e por isso a minha admiração por ele é maior pois sei bem que te levantaste e de certo modo te derrotaste. Quem é o meu maior adversário? Eu mesma! Jamais esquecerei essa lição que tem todo o sentido. Força amigo. Continua a escrever.

Edgar Veloso disse...

Por vezes o nosso maior obstáculo tem o nosso próprio nome.