sábado, 18 de julho de 2009

Confiança

É sempre mais fácil confiar e acreditar quando nada nos faz duvidar. Esta é uma reflexão que já partilhei com vocês, aqui neste blogue, e que a mim me continua a fazer imenso sentido. De facto, confiar significa acreditar, persistir, lutar mesmo que nada nos faça pensar que vale a pena continuar a tentar porque dificilmente será possível. Todavia, a vida é fértil em presentes “surpresa”…. Se eu soubesse…
Será que vale a pena desistir? O que é que é necessário para confiarmos em nós mesmos? Se não confiarmos em nós quem confiará? Será que a confiança nasce connosco? Será que se planta?

4 comentários:

MARY disse...

já nasce connosco só temos de faze-la crecer!
jinho

Ricardo Veloso disse...

Tal e qual cresce a nossa amizade e admiração com o passar dos anos...
Beijinho

Ana Paula disse...

Sabes, a confiança reside no melhor que existe em nós mesmos!
Covardia é não acreditar em alguém, quando antemão, sabemos que é em nós que reside o problema de aceitação ou existência!
Confiança sim, sempre...até que na Alma, doa uma parte de alguém que nos fira.
Até lá, acreditar...sempre!
Rs, e, até quando "alguém" nos fere...não devemos porque deixar de acreditar, difícil....mas, possível!
O tempo, amigo sincero, sempre se encarregará de nos suavizar as mágoas ou, recordações menos boas.
Bj

Ricardo Veloso disse...

Olá Ana Paula
Tudo bem?
Eu tenho um princípio: parto sempre do zero com todas as pessoas. Nem confio nem desconfio. Na verdade, diria que dou um crédito a todas as pessoas, independentemente do seu passado, e depois cada uma gere-o da maneira que achar mais adequada. Contudo, todas as acções têm reacções...
Para finalizar, diria que sim, a confiança está em nós e temos que ter confiança em nós, mas no que diz respeito aos outros, meio pé atrás não é, de todo, um mau princípio.
Beijinho